Conferência é a primeira que a Associação de Músicos Católicos realiza

Conferência é a primeira que a Associação de Músicos Católicos realiza.

Associação de Músicos Católicos aposta na formação dos membros

A Associação de Músicos Católicos de Angola (AMCA), realizou na manhã deste sábado (22.02) a 1ª Conferência Nacional de Directores Técnicos de Canto Coral.

Conferência é a primeira que a Associação de Músicos Católicos realiza
Conferência é a primeira que a Associação de Músicos Católicos realiza.

O evento aconteceu no auditório das Irmãs Paulinas, em Luanda e juntou mais de 150 músicos. Segundo o vice presidente a AMCA, a sua realização foi motivada pela necessidade se corrigir “falhas” na liturgia católica e visou capacitar os participantes melhor desempenharem as suas funções.

Santos Mfumuansuka Quiala, explicou ao portal Arautos da Fé que a associação espera que depois desta actividade hajam melhorias na liturgia da Igreja. “Esta é a primeira para 2020, tencionamos continuar com estás conferências. Entendemos que devíamos ir às outras províncias para fazermos as conferências porque, o número das delegações aqui é reduzido, apesar de termos a sala cheia.”

Ainda de acordo com o dirigente, a AMCA desenvolve desde o ano passado concursos de canto coral e solo. 170 Músicos estão inscritos na agremiação que já tem núcleos em 10 das 18 províncias de Angola. “A cada dia, felizmente há membros entrando para a associação”, informou.

Esta primeira conferência contou com a facilitação da irmã Emiliana Mbundu no tema “Diferença entre música gospel, sacra e litúrgica”, Cônego Apolónio Graciano, “Missa: sua importância e divisão, Padre Geraldo “O contributo dos grupos corais na evangelização” e Santos Quiala “Barreiras na vida de um director técnico”.

A todos os músicos angolanos Santos Quiala, exortou a louvar a Deus em espírito e em verdade como orienta a Palavra de Deus e disse que conhecimentos técnicos são importantes, mas que o adorador deve ter temor a Deus.

“Não desfaleçam, coragem. Somos poucos, a ceara é grande. E se somos poucos seria bom que fossemos firmes, fortes para que consigamos juntos pescar. A Palavra nos chama a sermos pescadores não de peixes mas de homens.”