Dom-Manuel-Imbamba-bispo-angolano

Dom-Manuel-Imbamba-bispo-angolano.

Combate à corrupção em Angola vai levar muito tempo, alerta Igreja Católica

A Igreja Católica deu o seu apoio ao combate à corrupção em Angola mas avisou que vai levar muito tempo e alertou que não pode ser selectiva.

Dom-Manuel-Imbamba-bispo-angolano
Dom-Manuel-Imbamba-bispo-angolano.

A declaração foi feita pelo arcebispo de Saurimo, Dom Manuel Imbamba, no final de uma reunião da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) nesta terça-feira, 18, que, devido à pandemia do coronavírus, decidiu anular o ano lectivo nos seminários de filosofia e teologia, excepto para os finalistas .

A conferência decidiu também confirmar como director geral da Rádio Eclésia o padre Augusto Epalanga.

Em conferência de imprensa, e após a leitura do comunicado final, o arcebispo Dom Manuel Imbamba disse que a Igreja está consciente que “não é um combate fácil sobretudo porque é um meio que se foi instalando no nosso meio durante muito tempo” e os angolanos “estão habituados à corrupção”.

“O seu combate vai levar muito tempo porque vai exigir, em primeiro lugar, uma verdadeira mudança de mentalidade e uma conversão pessoal”, acrescentou o arcebispo para quem esse combate “exigirá também dos gestores públicos uma consciência patriótica renovada”.

Evitar vinganças

O arcebispo sublinhou que o combate à corrupção exige também “um sistema de justiça forte… capaz de tratar da mesma maneira rico e pobre”.

Dom Manuel Imbamba fez notar ainda que a Igreja já tinha anteriormente avisado que o combate à corrupção deve ser levado a cabo de modo a preservar a paz e a evitar-se “vinganças no futuro”.

A justiça deve olhar para todos de modo igual “evitando aquilo que possa ser uma tendência mais ou menos selectiva”, mas sabendo que “é um mal a combater e portanto que haja justiça para todos”.

A preservação da paz “tão duramente alcançada que continua ainda em processo de consolidação” e da reconciliação nacional devem ser também prioridades, ainda de acordo com a CEAST.

Unir o povo sofrido

O arcebispo sublinhou a este respeito a existência já de comissões a trabalhar “para a reconciliação da própria história recente de Angola”.

Assim, no combate à corrupção devem-se usar “meios que ajudem a unir e não a separar este povo sofrido”, reiterou Dom Manuel Imbamba para quem esse combate deve também ter em conta “o momento actual em que vivemos” e para isso pensar na “salvaguarda dos empregos, a salvaguarda de alguma estabilidade económica”.

O arcebispo do Saurimo disse ainda que “o Estado precisa afinar mais os mecanismos de controlo, de fiscalização e de vigilância” e, nesse sentido, elogiou os governadores que têm tido a coragem de apontar erros e corrigi-los.

A este respeito fez menção do governador do Uíge, Sérgio Luther Rescova.

Fonte: VOA